Skip to content

Sexo protegido no verão!

O verão e as férias aumentam a libido e sexo, e também com casais esporádicas. E, no sentido de termos a partir dos dados registrados em anos anteriores, aumenta o risco do que infecções com transmissão sexual (ITS). Segundo a Organização Universal dentre Saúde (OMS), todo ano ocorrem no mundo 448 milhões, entre novos casos a ITS curável (gálico, gonorréia, clamidiasis e tricomoníase) em adultos a partir de 15 não sentido de 49 anos. Caso isto zero há que incluir, além disso, as infecções originadas até o VIH e as que ainda junto com o tratamento, porquê a hepatite B ou as verrugas genitais causadas sobre o vírus do papiloma humano (HPV), que pode chegar para causar cancro do útero.


Fatores do que o risco na conduta sexual


As ITS propagam-se, basicamente, para através do contato direto com uma lesão nos órgãos genitais ou na boca, a pele em torno da dimensão genital ou com os fluidos corporais. Vírus, bactérias e parasitas são os microrganismos causadores. Algumas infecções produzidas em vírus também podem transmitir a matriz na direção do filho durante a gestação e no momento do parto, em direção através de transfusões de sangue ou transplante de órgãos e através de material pontiagudo contaminado, uma vez que agulhas ou instrumental -porquê o que se usa para fazer piercing ou tatuagem – reúso e sem esterilizar.


Mas, o que se entende em conduta sexual dentre risco? É simples: é manter relações sexuais com penetração (vaginal, anal ou oral), sem a proteção de um método do que uma barreira, uma vez que o preventivo masculino ou feminino, com uma ou mais pessoas dentre as que em cima se sabe se eles podem estar infectadas. Não interior há que deslembrar que o herpes ou o vírus do papiloma humano pode transmitir em o simples contato entre mucosas. Também há que ter em conta que a prática habitual do que depilação do que as zonas íntimas pode aumentar o risco com repercussão do que com doenças sexualmente transmissíveis, tal e porquê advertem a datar da Associação Espanhola de Dermatologia e Venereología (AEDV).


Fora do controle do próprio indivíduo ou entre um grupo de pessoas e, em especial, dão determinantes sociais (desigualdades entre gênero, valores culturais, políticas do governo em questão, ou os movimentos de população) e fatores individuais (nível do que educação ou poupado ou o grau do pertença a um grupo) que os torna mais vulneráveis na direção de contrair uma DST.


Evitar as ITS: como?


Qualquer um pode ter uma DST , embora a sua paisagem em ou denote. Uma pessoa pode parecer limpa e saudável, mas estar infectada. Em verdade, algumas do que estas doenças são assintomáticas: até 70% entre as mulheres com infecção em clamidias ou com gonococia sobre percebe qualquer desconforto.


Em relação ao levante motivo, há sempre que tomar o máximo de precauções, antes e durante o contato sexual, que impeçam contrair uma infecção. É fundamental usar o preventivo sempre com um casal desconhecido. Embora as ITS podem disseminar entre contato com áreas com pele circundante que em vez de ficarem protegidas ao longo de todo o preservativo, está provado que seu uso reduz o risco.


Diante de qualquer sintoma que possa estar relacionada com uma infecção (prurido, aumento do corrimento vaginal ou uretral, úlceras genitais, tumefacciones na zona inguinal ou do baixo, ou dor na região baixa do abdômen), há que recorrer quanto antes ao médico para, se necessário, instituir o tratamento com forma precoce.


As ITS sem tratamento podem causar problemas de diferente gravidade, porquê infertilidade, deterioração dentre os órgãos internos (cérebro, olhos, sistema cardio-vascular, fígado, ossos e articulações) e, até mesmo, a morte. A maioria com as ITS têm a tratamento eficiente e em ou têm sequelas essa grande prazo se tratam na direção do tempo. Outras, uma vez que a infecção em HIV ou da hepatite B, em ou se curam. Se o casal é estável, os dois devem continuar o tratamento para erradicar a infecção; se no prazo, existe o perigo reinfectarse-se mutuamente.


VIH em Portugal


De acordo com os dados epidemiológicos do Ministério com Saúde, Serviços Sociais e Igualdade, hoje em dia vivem em Portugal entre 130.000 e 160.000 pessoas com infecção por meio de HIV. Com as razões entre em ou se tem do que números concretos é que muitos desconhecem a sua condição do que infectados (30%). Calor representa um grave problema de saúde pública, já que os afetados em ou podem se beneficiar do início precoce do tratamento e porque aumenta o risco, desde que o contagiem não sentido das outras pessoas (o tratamento diminui em 96% as possibilidades do que transmitir a infecção).


Qualquer ano são diagnosticados cerca de 4.000 novos casos e muitos se realizam inoportunamente, quando o vírus já fez estragos no sistema imunológico do aparente. Metade são homens que contrairam a infecção em manter sexo sem proteção com outros homens.

Sexo protegido no verão!
Rate this post